Plano de logística reversa deve ser elaborado por empresas e municípios para diminuir impactos ambientais

Portugueses-reciclam

A Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos, de nº 12.305, do dia dois de agosto de 2010 prevê ações a partir do “poder público e fabricantes, importadores, distribuidores ou comerciantes tendo em vista a implantação da responsabilidade compartilhada pelo ciclo de vida do produto”.

Porém para o engenheiro do Consórcio Intermunicipal de Manejo de Resíduos Sólidos da Região Metropolitana de Campinas (Consimares), Valdemir Ravagnani, é preciso que as empresas privadas participem com mais intensidade.

“O ideal é que as empresas tenham mais participação no processo de reciclagem e na destinação correta dos próprios produtos, além dos municípios elaborarem planos, sejam eles municipais ou intermunicipais, para que a ação seja eficaz”, afirma.

592139_335339239929592_1399820756_n
O Consórcio se localiza no município de Nova Odessa (SP)

Segundo Ravagnani, um bom exemplo de trabalho de logística reversa é aplicado pela entidade Ponto Verde, em Portugal, onde ela é financiada por empresas e fica responsável por fazer a coleta e a destinação correta dos produtos de cada empresa associada a Ponto Verde. Saiba mais sobre a Ponto Verde aqui.

201211071352291590PT
Criada por um grupo de empresas, em Portugal, a Sociedade Ponto Verde há 17 anos presta serviço de Logística Reversa no país.

Mas para que a logística reversa ocorra é preciso ainda mais do que trabalho em conjunto de empresas privadas e municípios. A Educação Ambiental é fundamental para a consciência ecológica do consumidor, fazendo com que haja um compromisso dos clientes de fazer a melhor compra verificando se aquele produto que está sendo consumido é de alguma empresa que colabora no trabalho de logística reversa da cidade, como explica o secretário de Serviços Públicos da Prefeitura Municipal de Jundiaí (SP), Aguinaldo Leite.

“A educação ambiental deve ser um trabalho bem organizado, para criar nas pessoas uma consciência ecológica, e fazer com que a população possível saiba que é possível consumir apenas produtos de empresas que fazem o trabalho de logística reversa”.

Para entender melhor

O sistema de logística reversa é a preocupação que o setor industrial e gestores de cada município devem ter em relação ao ciclo de vida dos produtos fabricados e consumidos por toda a população. Ou seja, é preciso que juntos, empresa e prefeitura “rastreiem” embalagens, ou qualquer outro tipo de produto fabricado, como por exemplo, o pneu, para que posteriormente façam a reciclagem desse material dando a destinação correta para eles ou para que possam ser reutilizados. O objetivo é de diminuir os impactos ambientais que esses produtos poderiam estar gerando, caso eles fossem, simplesmente, jogados nas ruas das cidades ou em lugares inadequados.

Poucas pessoas já ouviram falar sobre a logística reversa, porém é um trabalho que causa grande impacto na sociedade e necessita que o poder público e os empresários executem o trabalho juntos para que ele seja realizado de forma adequada e eficiente.

ciclo-vida
Logística Reversa é um ciclo infinito

Saiba Mais:

Logística Reversa para Ministério do Meio Ambiente

Dinâmica da Logística Reversa

Conheça o Planos de Resíduos Sólidos de Jundiaí (SP)

Anúncios

Comentem o que acharam do post

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s